Livro: Vision of the Future

Essa é a segunda parte da que é conhecida como “The Hand of Thrawn Duology”, uma continuação tardia da famosa Trilogia de Thrawn.

E aqui finalmente descobrimos quem realmente foi o famoso almirante e gênio tático do Império (Junto com algumas outras revelações).

A primeira coisa que eu gostaria de dizer a respeito desse livro é que ele me tirou a má impressão deixada por seu antecessor Specter of the Past em relação à caracterização dos personagens principais. Em Heir to the Empire, Dark Force Rising e The Last Command, apenas cinco anos se passaram depois de O Retorno de Jedi, e é bastante fácil imaginar nosso quarteto de personagens humanos (Han, Leia, Luke e Lando) tão pouco tempo depois.
Mas, no primeiro volume dessa série, que se inicia quinze anos depois e O Retorno de Jedi, achei que mesmo o autor tinha dificuldades em imaginar Han Solo quarentão e pai de família. O resultado era um monte de ação concentrada ou em personagens criados pelo próprio autor e que não apareciam nos filmes, como Talon Karrde e a novata Shada, ou em personagens secundários do filme, como Wedge.

Mas isso foi completamente remediado nesse segundo volume. A ação é tanta que a gente nem percebe se os personagens estão de acordo com suas idades ou não – e além disso o autor tem a decência de mostrar que sim, eles envelheceram, porra. Tudo bem que só em alguns momentos. E foi golpe de mestre mandar as crianças para uma temporada de férias em Kashyyk.

Mas enfim. Enquanto Luke e Mara vão atrás de uma misteriosa nave alienígena que suspeitam seja do povo de Thrawn, Lando e Han tentam se infiltrar numa base imperial para achar o documento que pode impedir a guerra civil na Nova República. E eles conseguem isso com a ajuda do personagem muito mais interessante do que parece: um clone. E isso por si só deixa o livro interessante, já que desde Bobba Fett (e isso na trilogia nova, o que hardly counts) não tínhamos um clone com cara de individual perto da ação.
Além disso, Karrde e Shada vão até os confins do universo atrás de um contrabandista de informação que pode ou não querer matá-los; o Almirante Palleon finalmente começa a achar que tem alguma coisa errada com esse ‘retorno’ de Thrawn; Leia é jogada no meio de uma negociação de paz com quem não tem nada a ver; e o querido nerd Ghent (que deveria ter tido mais espaço no final das contas) tem seu momento de heroísmo.

Para um livro de aventura/ficção científica, um dos melhores no gênero. E mesmo quem nunca ouviu falar de Star Wars vai ser capaz de curtir.
Desde que leia em inglês, é claro, porque pra essa tradução sair por aqui, só se for de fãs. Quem sabe um dia eu me arrisco.

Uma ideia sobre “Livro: Vision of the Future

  1. Cada dia que vc conta um pedacinho da história, fico animada para ler!!!
    Mas, apesar de ler em inglês bastante bem, não é o que gosto de fazer na hora de lazer….inglês me lembra trabalhos científicos, capítulos de livros de odontologia…não relaciono com lazer, entende?
    Lazer, só na língua-mãe!
    Bj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *