Livro: Um Gosto Mórbido por Ossos

morbid taste for bones

O Prior Robert tinha um sonho. Vai ao País de Gales para buscar as ossadas de Santa Winifred com a ideia de que ela trará maior fama e visitações à sua abadia. A justificativa dada aos galeses é que ela conseguirá mais louvor e devoção na grande abadia de São Pedro e São Paulo, em Shrewsbury, do que no túmulo abandonado.

O Irmão Columbanus tinha uma ambição. Filho de uma nobre família normanda, até na clausura procura a fama – mesmo que seja de um modo pouco apropriado a um monge. Diz ter sido curado por Santa Winifred e fará de tudo para conseguir as vontades do Prior.

O Irmão John tinha um problema. O jovem estava basante seguro da sua vida monástica, até chegar ao País de Gales e conhecer a bela Annest, filha do ferreiro, que o enche de dúvidas sobre essa vida celibatária.

O Irmão Cadfael tinha um passado. Vivera por quarenta anos no mundo antes de se dedicar ao claustro, e agora era convocado como intérprete nessa viagem a seu país natal. Só que quando os aldeões de Gwytherin se recusam a deixar que a Santa mude de lugar, o intérprete se vê concordando com seus compatriotas mas tendo de ser ao mesmo tempo fiel aos seus superiores na ordem.

Quando um dos mais importantes senhores de terra galeses é brutalmente assassinado logo no dia seguinte à chegada dos monges, Cadfael precisa traduzir mais do que apenas uma discussão sobre ossos de santa, pois o homem era contrário à mudança de Winifred e Irmão Columbanus faz o possível para transformar isso em um sinal da santa de que ela quer ir para Shrewsbury.

Primeiro dos livros do monge-detetive Irmão Cadfael, essa história passada no século XII consegue ser divertida, cativante e emocionante ao mesmo tempo em que parece retratar com fidelidade a época medieval. Cadfael é cético sem ser ateu, sensato sem ser moderno e inteligente sem ser todo-poderoso. Ele é um detetive com imensas dificuldades: numa época em que as grandes descobertas científicas se resumiam à utilização das sementes de papoula pra induzir o sono, a criminalística forense era algo praticamente inexistente. Apesar disso, a autora consegue fazer com que as deduções do monge sejam extremamente verossímeis – partindo do princípio, é claro, que tando o País de Gales, onde o personagem nasceu, quanto a Terra Santa, onde ele passou a juventude, eram infinitamente mais avançados na época do que a atrasada Inglaterra.

Um livro que vale a pena tanto para quem gosta de romance policial quanto para quem curte as histórias que se passam na Idade Média, é uma leitura divertida, inteligente e  com uma ambientação histórica excelente. Recomendo muito!

O livro tem tradução portuguesa facilmente encontrada em sebos, mas outros livros da série ganharam tradução para o português brasileiro pela editora Record e ás vezes dá pra encontrá-los nas livrarias.

Informações técnicas: A Morbid Taste for Bones (1977) de Ellis Peters. Série Crônicas do Irmão Cadfael Livro 1.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *