Livro: Soul of Fire

No final de Heart of Light, o grupo enorme de aventureiros que conseguiu encontrar a pedra do título resolve que 1. Nigel ficará com a pedra, zanzando pelo mundo para que os malvados não o encontrem, e Peter irá atrás da pedra gêmea, soul of fire. Depois os dois irão juntar as pedras e levá-las para o local secreto no coração da África.

Se o primeiro livro foi mais ou menos por Nigel e Emily serem protagonistas sem sal, esse totalmente NÃO TEM esse problema.
Porque o protagonista é Peter Farewell, um dos personagens mais legais da literatura fantasiosa moderna.
Ele é um lorde inglês. Ele é gatérrimo. Ele é um aventureiro. E, como se não bastasse, ele é um homem-dragão.
*suspiro*

Peter está atrás da pedra soul of fire, que devolverá o poder ao avatar de uma deusa fodástica e impedirá o mundo de explodir. Ele vai parar na Índia porque parece que foi lá que a pedra foi vista pela última vez.

Enquanto isso, a jovem anglo-indiana Sophie vai ser entregue em casamento a um horrendo rajá local, que dizem ser capaz de se transformar em tigre. Aí ela se desespera e resolve pular da janela. E um dragão que passava por ali acaba salvando a moça da morte certa.

Então deixa eu contar que a graça desse livro é que a autora misturou um mundo de fantasia – onde magos, homens-dragões e tapetes voadores são comuns – com a cultura e sociedade do nosso mundo no século XIX. Sophie, portanto, é uma anglo-indiana que vive na Índia de Kipling, só que com magia.

Mas então, o dragão percebe que Sophie não quer voltar pra casa, e a leva para os campos para que ele possa se transformar no já mencionado gatérrimo Peter Farewell. Ela se assusta, mas acaba indo com a cara dele, e diz que vai fugir dos pais para não se casar com o rajá horroroso e vai se encontrar com um namoradinho dela (que havia partido para a Índia central com o exército). Peter, sempre cavalheiro – e também com seus interesses em mente, claro – diz que a acompanhará até a Índia central para que ela não seja capturada pelos homens tigre.
Esqueci de avisar que o rajá horroroso com quem os pais de Sophie querem que ela case é na verdade o líder dos homens-tigres da Índia.

Eu adoro a Índia vitoriana. Eu adoro fantasia. Eu adoro Peter Farewell.
Então adorar esse livro não foi nenhuma surpresa. A autora continua colocando personagens demais na trama, mas dessa vez eles são mais interessantes e “vivos” do que no primeiro livro: a princesa Lalita, que se disfarça como criada de Sophie, e o tal namoradinho de Sophie, o soldado William, são coadjuvantes de peso.

O livro certamente fez a série subir vários níveis no meu conceito, e se transformou num dos meus favoritos.

8 ideias sobre “Livro: Soul of Fire

  1. Impossivel entar via contato, o código nao deixa!
    Gostei muito de ter visitado o seu blog com mais tempo.
    Está muito bem montado e bonito, gostoso de de se ler pelo excelente conteúdo já conteúdo já postado.
    Foi um prazer ler as crônicas e textos entremeandcom de belas imagens. Gostei! Parabéns!
    Quando tiver um tempinho, gostaria de recebê-lo no meu blog:
    http://www.abestados1000anos.com.br/,e se gostou,receber seus comentários ou sugestões.
    Um abraço
    Ilmar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *