Livro: Alma? de Gail Carriger

E aí eu tinha acabado de ler a última besteira adolescente nessa vida e estava desapontada com livros de fantasia em geral, e resolvi que ia pegar esse livro mais na aleatoriedade mesmo.

Alexia Tarabotti está numa festa, e vai para a biblioteca, porque curte os livros e não gosta de ficar na fofocaiada do salão de dança. Na biblioteca ela encontra um vampiro.
O vampiro arreganha os dentes e vem pra cima dela, mirando no pescoço.
Alexia, sem pudor, desce sua sombrinha na cabeça dele, dizendo: “Que rude! E sequer fomos apropriadamente apresentados!”

Não tive como não me apaixonar. Por Alexia, a protagonista, pelo mundo criado pela autora e pela trama envolvente.
Alexia é uma pessoa sem alma, algo muito raro e de fato único na Inglaterra Imperial da Rainha Vitória. Por ser sem alma (soulless, como no título), Alexia tem a capacidade de cancelar habilidades sobrenaturais, como os dentes sugadores dos vampiros ou a forma lupina dos lobisomens.

Como se não bastasse, o nariz avantajado e a pele morena de Alexia (que, como seu sobrenome entrega, é filha de um italiano) fazem com que ela seja considerada bem abaixo da média no quesito beleza. Isso somado à sua inteligência acima da média e incapacidade de dizer sim senhor para todo homem que aparece na sua frente a torna uma incurável solteirona velha demais para se casar (o livro começa com ela tendo vinte e seis anos).

Por ser sem alma, ela também é monitorada pela divisão do governo que lida com os sobrenaturais, cujo diretor é ninguém menos do que o grandalhão e mal educado Lorde Maccon, o lobisomem líder da matilha londrina, que não vai com a cara dela desde o “incidente do porco-espinho” (explicado apenas mais à frente no livro).

Quando Alexia acidentalmente mata o tal vampiro ousado, Lorde Maccon fica irritado, ambos descobrem que novos vampiros estão sendo ilegalmente criados e que lobisomens solitários estão desaparecendo. Os vampiros acham que Alexia é responsável. Lorde Maccon está demonstrando ter interesses fora do trabalho por Alexia. Ela conhece um encantador cientista americano interessadíssimo na questão sobrenatural. E ela anda sendo perseguida por um tipo diferente de monstro – diferente e bastante assustador.

Gente, ó. Tem pessoal falando aí que o livro é um romance de “tirar o fôlego” e que é uma história de amor “maior linda” e que tais.
Não.
O romance tórrido com (adivinhem) Lorde Maccon não é nem de longe a melhor parte do livro, SPOILER já que vocês sabem como eu não gosto de “primeiras vezes” mágicas e indolores nem de gente que fica se esfregando quando o perigo acomete FIM DO SPOILER.

O que é importante é que esse livro é MUITO ENGRAÇADO.
Tava faltando uma protagonista tão sarcástica, inteligente e única como Alexia. Tava faltando um ambiente steampunk para meninas DESCENTE. Tava faltando uma autora com espírito de Jane Austen, conhecimento histórico, habilidade de criar cenários alternativos plausíveis e personagens engraçados sem parecerem caricatos e tava faltando vampiros e lobisomens de verdade e ZEPELINS!!
Gail Carriger, onde você esteve todo esse tempo??

Enfim, o que vocês estão esperando?
Leiam, porque é o MÁXIMO!

PS – Eu li em inglês, tá, e de verdade não sei por que o livro em português ganhou esse título. E como vão ficar os outros volumes da série? Só falta Changeless ficar Mudança? e Blameless  ficar Culpa?. Enfim. Mais um exemplo de títulos equivocados em português. Fora que interrogação no título não tem nada a ver.
Parei de reclamar.


Título Original: Soulless (2009)
De Gail Carriger (EUA)
Série Parasol Protectorate (Protetorado da Sombrinha: Há!) Livro 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *