Filme: Os Três Mosqueteiros (2011)

Olha só. Não adianta falar que o filme não tem nada a ver com o livro, porque conheço pouquíssimas pessoas que leram o livro de fato. Não adianta falar que o filme não tem acuidade histórica porque pouquíssimos filmes hoje em dia a tem – até mesmo baboseiras como Robin Hood, que se dizem ‘super fiéis’, inventam um monte de coisas para o filme fazer bonito nas bilheterias.

Então o que adianta falar?
Esse filme é mega divertido.

Não, não é fiel ao livro. Não, não é fiel à época em que se passa.
Mas para uma releitura steampunk das aventuras dos três mosqueteiros, está mais do que boa.

Tem o moleque D’Artagnan que quer ser um mosqueteiro interpretado pelo bonitinho do momento, aquele que fez o Percy Jackson – pras adolescentes quererem ver o filme.
Tem o Athos interpretado pelo gatérrimo Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito, praquelas na faixa dos 20 e poucos anos.
Tem Milla Jovovitch, magrela como sempre, pros bocós que gostam de magrelas.
Tem armadilhas, lança chamas e navios voadores – e tem lutas de espadas à moda antiga.

E não é que funciona?
O roteiro segue as linhas principais da história de Dumas; os três mosqueteiros parecem realmente amigos de longa data – a química entre os atores está impecável; Richelieu é um espetáculo à parte – e também não se distancia tanto do papel que tem no livro; o penteado de Orlando Bloom rouba a cena; me apaixonei pelo Porthos de Ray Stevenson e se eu tenho uma reclamação a fazer é a pouca expressividade do Logan Lerman e de seu apagado par romântico Constance.
As lutas de espada são surpreendentemente bem coreografadas, e o excesso de tela de Milady é quase compensado pelas cenas em que os quatro lutam com os guardas do cardeal.

Um filme descompromissado, para assistir sem nada na cabeça, que fez com que eu me divertisse à beça. Tem coisa melhor do que airships com lança chamas? Pois é, não tem.
Viva o steampunk.

Os Três Mosqueteiros (The Three Musketeers) – 2011
de Paul W.S. Anderson

com Orlando Bloom, Matthew Macfayden, Milla Jovovitch, Luke Evans, Ray Stevenson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *