Livro: O Visconde Que Me Amava

O visconde que me amava_Capa WEB

Segundo livro da série que acompanha a história dos bem aventurados irmãos Bridgertons, na Inglaterra do século XIX. Dessa vez, acompanhamos Anthony Bridgerton, o mais velho da família, na sua busca por uma esposa. Kate Sheffield é completamente ofuscada pela beleza de sua irmã mais nova, mas nem por isso pretende deixar que sua protegida se case com um mulherengo como Anthony, por mais rico e bonito que ele seja. E claro que o que acontece na história é muito menos importante do que os diálogos sutis e o romance fofo.

Anthony Bridgerton é um homem prático. Ele tem certeza absoluta de que vai morrer antes dos trinta e oito anos (pois seu venerado pai morreu aos trinta e sete), mas nem por isso ele tem a intenção de não se casar e não prover a família com um desejado herdeiro. Ele é, afinal de contas, o filho mais velho (de oito) e tem uma tradição a seguir.

Mas, sabendo da sua morte tão iminente, ele pretende escolher uma esposa séria, bonita, inteligente e que ele nunca poderá amar – afinal, como se apaixonar por uma garota que ele vai ter que deixar para trás quando morrer? Ele viu o que a morte de um par amado fez com sua pobre mãe, e não pretende fazer o mesmo com sua futura esposa.

E então ele decide que Edwina Sheffield, a bela da temporada londrina de 1814, será sua esposa perfeita. Inteligente, bela e sensata, Edwina serviria muito bem. O problema é que a jovem, partindo de uma inacreditável admiração por sua irmã mais velha Kate, declarou a quem quisesse ouvir que só se casaria mediante aprovação da irmã.

Cabe ao Visconde Lord Bridgerton então convencer Kate, a irmã séria e pouco atraente de Edwina, de que ele é um perfeito cavalheiro – apesar da sua fama de aventureiro e cafajeste.

 

Kate sempre foi conformada com a beleza superior da irmã, mas as duas irmãs eram muito afeiçoadas uma à outra para que isso fosse um problema entre elas. O futuro pouco ensolarado que Kate, Edwina e Mary (a mãe de Edwina e madrasta de Kate) sofreriam caso Edwina não arranjasse um marido rico também era algo a ser levado em consideração, mas nem por isso Kate abriria mão da felicidade da irmã: não admitiria que Edwina se casasse com alguém que não gostasse ou que não a respeitasse como merecia.

Então quando o bonitão Lorde Bridgerton, notório por suas aventuras com mulheres da vida e totalmente seguro de si em seu cortejo de Edwina, tenta convencer Kate de que ele é um bom partido, ele encontra uma moça um pouco menos inclinada a ser conquistada por seus charmes. Na verdade, nem um pouco inclinada.

Bom, desde o primeiro livro da série que gostei muito dessa pegada “Jane Austen + sexo!” da autora. E esse livro não desaponta. O romance é muito bonitinho, a ambientação é adorável e os personagens, apesar de bastante parecidos com os que vejo em outros romances por aí (homem másculo, alto, “honrado”, de voz grave, olhos penetrantes etc/ moça de personalidade forte, lábios carnudos, inocência virginal etc), são divertidos especialmente quando não estão interagindo um com o outro: a família Bridgerton é o máximo e Lady Violet é minha ídala. Destaque para o irmão Colin, sempre meu favorito.

Boa leitura para quem gosta do famoso gênero “romance-histórico-if-you-know-what-I-mean”.

Informações técnicas: The Viscount Who Loved Me (2000) de Julia Quinn. Série Bridgertons Livro 2

Uma ideia sobre “Livro: O Visconde Que Me Amava

  1. Adoro a Julia! Pra mim é a melhor escritora de romance de época e a série dos Bridgertons então… minha favorita! Eu gostei mais desse do que do primeiro, me cativou um pouco mais a história de amor de Anthony e Kate, além das cenas hilárias que me fizeram rir demais. Gostei da resenha 🙂

    Dá uma passadinha no meu blog:

    http://manualinvertido.com/

    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *