Livro: O Livro dos Três

Taran é um jovem que vive numa fazenda junto com o velho Dallben e com Coll, um enorme e careca fazendeiro de meia idade. Taran sonha com feitos heróicos e aventuras, e não entende como Dallben, que é um mago, e Coll, que já foi guerreiro, se contentam com a vida pacata na fazenda.
Para tentar deixá-lo mais animado, Coll dá a Taran um título: Porqueiro Assistente. Taran deve cuidar de Hen-Wen, uma importante porca que vive na fazenda. Taran obviamente não se contenta com essa honra, mas quando Hen-Wen foge pela floresta, ele não tem coragem de simplesmente admitir sua derrota a seus superiores e vai atrás dela.

No mundo lá fora, as coisas não vão bem. Arawn, o lorde negro, tem um novo capitão: o Rei Cornudo, que marcha com seu exército de mortos vivos em direção a Caer Dathyl, castelo da família real. Taran escapa de seus soldados, e encontra Gwydion, herdeiro do trono – um tranquilo viajante que em nada se parece com a idéia que Taran faz de um príncipe. Gwydion fica horrorizado ao saber que Hen-Wen está solta e indefesa e pode ser utilizada por Arawn em seus planos malignos, e decide ajudar Taran a encontrá-la.

Ambos passam por muitas aventuras antes de conseguirem encontrar a porquinha, e no caminho vamos conhecendo os outros personagens da história: Gurgui, um estranho ser peludo e reclamão que vive na floresta; Fflewddur Fflam, um rei-bardo que é incapaz de falar a verdade; Einlonwy, a bela princesa que não consegue ficar calada e, finalmente mas não menos importante, Doli, um anão mal humorado que detesta ter a incrível habilidade de ficar invisível.

Esse grupo improvável precisa encontrar Hen-Wen antes de ela caia nas garras de Arawn, e depois conseguir achar um meio de impedir a vitória do Rei Cornudo.

Gente, eu amo esse livro! O autor tem um jeito muito gostoso de escrever, parece que você está sentado na cama ouvindo uma história. Os personagens são crianças sem super poderes, e sofrem um bocado por causa disso, mas a narrativa não se adapta para que elas virem as salvadoras da pátria: apesar de muito fantasiosa, a história é verossímil. E, o mais importante, inteligente e engraçada.
Se você está procurando uma nova série de fantasia para dar uma olhada, essa é uma ótima pedida. Tem um pouquinho de O Senhor dos Anéis, e um pouquinho de Nárnia (mas eu sinceramente prefiro Prydain do que Nárnia) e um pouquinho de O Único e Eterno Rei…
Vale muito a pena. Que eu saiba, não é difícil de achar em português.

Título Original: The Book of Three (1964)
De Lloyd Alexander
Série Crônicas de Prydain Livro 1

Uma ideia sobre “Livro: O Livro dos Três

  1. Adoro sagas de fantasia! Fiquei muito interessada nessa. Parece ter todos os elementos que eu gosto! Vou procurar. 🙂

    Beijo.

    navirj.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *