Livro: O Cavalo Amarelo

Esse livro da Agatha Christie é uma coisa engraçada. Ele tem um dos crimes mais engenhosos que a autora já criou, mas também tem uma das soluções mais bobocas de todas.

A história é às vezes contada pelo jovem Mark Easterbrook, que parece entrar no mistério de forma totalmente aleatória – uma das coisas que me incomodou – e às vezes narrada em terceira pessoa.

Na prática, um padre vai receber a confissão de uma mulher que está morrendo. Ao sair da pensão onde ela mora – ela morre logo após – ele é assassinado com uma pancada na cabeça.
Ao revistá-lo, a polícia encontra uma lista de nomes escrita por ele num papel de rascunho e guardada por ele dentro do sapato – por uma razão simples de que o bolso do seu casaco estava furado.

Ao examinar os nomes – em sua maioria sobrenomes – escritos pelo padre, o Inspetor Lejeune, responsável pelo caso, fica surpreso ao descobrir que a maioria daquelas pessoas morreu nos últimos meses. Mas as investigações mostram que todas morreram de causas naturais, como pneumonia, câncer e outras coisas dessas.

Aí o tal Mark tromba com o médico da polícia, que conta pra ele do caso estranho do padre e tals. Mark acaba se interessando pelo caso porque sua madrinha, que morreu de causas naturais, estava na lista encontrada com o padre, e resolve dar uma olhada particular na história toda.

Por acaso, Mark entreouve algo a respeito do Cavalo Amarelo, um lugar onde se pode ir quando quer se livrar de alguém indesejado. A garota que mencionou o Cavalo Amarelo depois nega tê-lo feito e se mostra bastante assustada.
Intrigado, Mark vai até o interior junto com sua amiga Ariadne Oliver, a famosa escritora de romances policiais, para tentar descobrir o que é esse tal de Cavalo Amarelo e o que ele tem a ver com a morte do padre.

Na verdade eu achei a solução do problema tão genial, mas tão genial, que quase dá pra deixar pra lá todo o resto do livro, que é bem do ruim – no sentido de não fazer sentido nenhum.

Spoilers!
O crime é muito bom, mas a forma como ele é descoberto é muito amadora. Mark resolve investigar o Cavalo Amarelo porque ele tem acesso à lista de nomes. Mas ele é um civil. Desde quando a polícia entrega provas importantes de um caso de assassinato a civis mal ligados ao caso?
É coincidência que Mark ouve Poppy falando do Cavalo Amarelo. É coincidência que Mark vê Thomasina Tuckerton brigando no bar. É coincidência que a madrinha de Mark estivesse na lista de nomes.
Até aí, eu estava esperando uma explicação que fosse satisfatória sobre tantas coincidências. Mas a autora não faz isso. Ela cria o assassino mais estúpido da história da humanidade.
Depois de criar o sistema perfeito; depois de lucrar milhares de libras com o golpe; depois de matar dezenas de pessoas… você quer que eu acredite que o assassino jogou tudo pro alto ao sair do seu local protegido para descrever um homem aleatório e ter alguma atenção da polícia? A explicação de que ele era orgulhoso e queria que outros percebessem o quanto ele era brilhante não cola. Não faz sentido um assassino se expor dessa forma idiota. Eu sei que ele teve que agir sem pensar nas consequências quando matou o padre, mas depois ele teve bastante tempo pra pensar.
O ponto mais importante do plano é o de que ele tinha que entrar e sair das casas sem ser reconhecido. E aí ele se coloca na mira da polícia pra poder ser apontado caso uma foto fosse tirada?
Idiota!
Fim dos spoilers.

Enfim. O fim do livro é genial, mas a forma como o “detetive” “descobre” o esquema todo é mirim e acaba estragando muito da diversão.
Não deixa de ser um bom livro, e a genialidade da solução é tanta que até dá pra relevar as besteiras mencionadas acima. Existem livros melhores dela, no entanto, então não digam que eu não avisei.

Título: O Cavalo Amarelo (1961)
Título original: The Pale Horse
De Agatha Christie (Reino Unido)

3 ideias sobre “Livro: O Cavalo Amarelo

  1. Ha! quase quase li o spoiler pra saber o resultado desse suspense todo! Eu nunca li Agatha Christie por algum motivo… acho que devo correr atras do prejuizo enquanto é tempo! Otima resenha, deu vontade de ler… mesmo com o aviso. 🙂

  2. SPOILER

    Só não entendi como o assassino poderia saber que a mulher havia passado a lista pro padre…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *