Livro: Jogos Vorazes

Num futuro não tão distante, os Estados Unidos se transformaram em Panem: doze distritos controlados por uma capital de elite, a enorme cidade de Capitol.
Houve uma rebelião que a capital rechaçou violentamente, praticamente escravizando os doze distritos e destruindo um décimo terceiro.
Para lembrar constantemente a todos que a capital é a mais poderosa e controla a vida de todos, foi estabelecida uma competição, onde 24 jovens, dois de cada distrito, lutam numa arena até a morte. Aquele que sobreviver ganha não só a competição como o direito de várias cotas de comida e outras regalias para o seu distrito por um ano.
A estes jogos foi dado o nome de Hunger Games, ou Jogos Vorazes. A competição é transmitida por todo o país e os habitantes da capital se divertem imensamente com as mortes e apostando em algum competidor.

Katniss Everdeen tem dezesseis anos e, quando sua irmã de doze é sorteada como “tributo” para ser enviada aos Jogos Vorazes, ela se voluntaria para participar para proteger a irmã. Apesar de pequena, Katniss é forte, ágil e hábil com o arco e flecha, que usa para caçar ilegalmente e conseguir comida para sua família.

A história pode até ter alguns furos – que provavelmente serão cobertos nos próximos volumes – mas a narrativa em primeira pessoa dá ao livro um tom realista e cru que faz com que ele seja impossível de largar.
A primeira parte, ao mostrar a vida sofrida dos habitantes do distrito 12, nos apresenta a protagonista, uma garota realista em alguns momentos, mas determinada a lutar pela sua sobrevivência. Conhecemos a história da morte de seu pai, da ausência de sua mãe, da esperança da sua irmã e do companheirismo do seu amigo Gale.
Depois que ela se oferece como tributo e é levada para a capital, junto com Peeta Mellark, um garoto que infelizmente não é totalmente desconhecido dela, a exuberante Capitol e seus habitantes mostram um alarmante contraste entre a vida destes e a dos habitantes do distrito 12, que são em sua maioria mineiros.

Um dos melhores personagens do livro, Hamish, um dos dois únicos participantes do distrito 12 que venceu uma edição dos Hunger Games, é então apresentado à dupla como seu treinador. Afinal, os dois jovens têm algum tempo para treinar suas habilidades físicas antes de entrarem na arena.
Mas eles também passam por esteticistas e estilistas cujo trabalho é deixá-los suficientemente apresentáveis para conseguirem patrocínio – a diferença entre a vida e a morte dentro da arena.

O livro é perturbador. No começo, a narrativa de Katniss me deixou pouco impressionada com a premissa, afinal, ela mesma está tão sem saber o que fazer com a situação que as coisas parecem pouco reais. Mas ao longo da narrativa, quando ela entra na arena e é obrigada a enfrentar outros jovens e crianças até a morte, e quando ela descobre mais sobre a política por trás de todos os Jogos Vorazes; e principalmente quando me imaginei numa situação parecida, a leitura ficou muito mais complexa.

Se formos pensar na diferença de classes sociais na nossa própria sociedade ocidental moderna; se formos pensar em programas chamados de reality shows, onde os participantes são submetidos a situações humilhantes e degradantes; se formos pensar nas coisas que são televisionadas para todo mundo ver e que não arrancam nem mais  um pensamento dos espectadores… vemos que não estamos tão longe da realidade de Panem.

O livro é ao mesmo tempo tocante, empolgante, inteligente e de uma complexidade que impressiona, considerando o público alvo.
Com o filme tendo saído a pouco tempo, claro que mais pessoas vão se aproximar do livro – e claro que os hipsters e nerds de plantão (que acho que só nesses momentos é que se unem) já vieram com um livro que supostamente foi copiado pela autora.
Mas não importa. Se o que te interessa é uma boa história, com personagens cativantes e detalhes bem construídos, Jogos Vorazes é uma boa pedida.
Consegue ser um livro “de menina” – afinal, o triângulo amoroso não deixa de estar lá – e um livro com boas cenas de ação e violência. Apesar de ser, pelo menos pelas livrarias, direcionado ao público ‘jovem adulto’, o livro não subestima o leitor e nos apresenta personagens maduros e dimensionais e uma trama que faz pensar, fazendo com que ao final seja impossível não querer correr para a loja comprar o próximo exemplar (Catching Fire, ou Em Chamas, já disponível traduzido).

Informações técnicas: The Hunger Games (2008) de Suzanne Collins. Série Jogos Vorazes Livro 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *