Livro: I Shall Wear Midnight

Quando vimos Tiffany Aching pela última vez, em Wintersmith, ela estava entrando na puberdade e salvando o mundo novamente, ajudada de leve pelos Nac Mac Feegle e pelas bruxas lideradas por Granny Weatherwax.

Agora ela é uma bruxa oficial, com direito a vassoura e chapéu pontudo, e se o preço a pagar por isso é ser um pouco excluída pelas outras pessoas, que seja. Alguém tem que fazer o trabalho sujo.

Mas parece que há uma entidade maligna solta no mundo,  uma entidade que odeia as bruxas e entra na cabeça de quem tem a mente cheia de ódio e medo, e essa entidade está fazendo o mundo se virar contra todas as bruxas – em especial aquelas mulheres que não tem magia nenhuma mas se parecem com as bruxas feias e velhas dos livros de contos.

Por algum motivo, essa entidade está especificamente atrás de Tiffany, e dessa vez nem os Nac Mac Feegle, nem as outras bruxas, podem ajudá-la.

Ao mesmo tempo, Tiffany tem que lidar com toda essa coisa chata de ser adulta. Afinal, agora ela já tem quase 16 anos, e todas as garotas da sua idade já estão casadas – algumas com filhos. Tiffany sabe que a maior parte das bruxas nunca se casa (elas já tem trabalho o suficiente), mas Nanny Ogg, por exemplo, foi casada umas três vezes, e a colega de Tiffany está noiva de um criador de porcos. Roland, o filho do barão, agora está noivo de uma perfeita princesa de cabelos loiros e vestidos brilhosos.

Eu gostei bastante desse livro, apesar de achar alguns elementos da trama meio sem sentido. Os Feegles, como sempre, roubam a cena, mas a coadjuvante principal é Mrs Proust, dona de uma loja de artigos assustadores em Ankh-Morpork. Isso sim foi interessante: mais do que em qualquer outro livro de Tiffany, o autor juntou o universo da garota-bruxa com o universo fantástico e bizarro de Discworld.

Claro que o Chalk, curiosa formação arenosa com grama em cima onde Tiffany vive, está em Discworld, mas são consideradas séries diferentes porque 1. o tom é outro, os livros da Tiffany são claramente para um público infanto-juvenil, enquanto os outros livros de Discworld são para adultos e 2. porque mesmo Discworld é dividido em várias séries que mal se misturam. A série das bruxas (Direitos Iguais, Rituais Iguais; Estranhas Irmãs; Quando as Bruxas Viajam, etc) se mistura um pouco com a série de Tiffany, mas só nesse último livro é que Tiffany vai para a cidade grande e conhece coisas como A Guarda e a Universidade Invisível. Temos até uma aparição da maga Eskarina Smith, que aparece em outro livro da série, Direitos Iguais, Rituais Iguais.

Tiffany está bem mais adulta e usando MUITO mais magia nesse livro, e devo dizer que isso não atrapalha a trama em nada. Gostei muito do final do livro, onde o povo do Chalk passa a aceitar melhor que vivem num mundo fantástico, mas espero que não seja o fim-fim-mesmo. Seria legal outro livro da Tiffany.

Resenhas dos outros livros da Tiffany: 
The Wee Free Men
A Hat Full of Sky
Wintersmith

Resenha de outros livros de Discworld:
Estranhas Irmãs
Quando as Bruxas Viajam

2 ideias sobre “Livro: I Shall Wear Midnight

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *