Livro: Geekerela

Um dos romances mais fofos e lindos que eu li recentemente, com uma releitura de Cinderella muito incrível e a ambientação PERFEITA. Super recomendo!

Elle Wittimer é muito nerd. Ela adora ler, assiste filmes de super-herói, acompanha quadrinhos e sabe de cor as falas dos seus personagens favoritos. Mas se tem uma coisa pela qual ela é obcecada, essa coisa é Starfield. Ela era muito nova para ver a série original na televisão, mas seus pais eram viciados – inclusive se apaixonaram num evento de fãs. A mãe morreu quando Elle era pequena, e o pai dela alguns anos depois, não sem antes deixar seu legado: a ExcelsiCon, uma convenção anual onde fãs de todos os tipos se encontram para ver seus astros favoritos, comprar colecionáveis e ver pré-estréias concorridas. Depois que seu pai morreu, Elle passou a viver com a madrasta megera e suas duas filhas gêmeas super-populares na escola, e Elle se contenta escrevendo no seu blog sobre Starfield e juntando dinheiro com seu trabalho no food-truck Abóbora Mágica para quando fizer 18 anos se mandar dali.

MAS. Aí quando finalmente começam a produzir o aguardado filme de Starfield, depois de anos de espera – quando finalmente vão anunciar o ator que será o Príncipe Carmindor, líder da Federação e capitão da famosa nave da série – o jovem que será responsável por mostrar o mundo de Starfield a toda uma nova geração… esse jovem é Darien Freeman. O bonitão da série para adolescentes mais melosa da TV. O cara que tem um séquito de fãs enlouquecidas atrás dele onde quer que ele vá. Um cara que obviamente não sabe nada de Starfield. E que vai estragar tudo.

Cheia de raiva, Elle escreve um post longo no seu blog, dizendo porque Darien Freeman é totalmente errado para o papel. E de repente, o post viraliza.

Do outro lado da história, temos Darien Freeman. Um jovem de 18 anos que está atuando desde cedo sob pressão do seu agente, que é ninguém menos que seu próprio pai. Darien precisa fazer musculação e regime para ter o físico do seu personagem bonitão da série de TV, mas no fundo é só mais um nerd que adorava ir a convenções até que o assédio das garotas – e um certo ex-amigo – estragaram tudo. Ele aceitou o papel de Carmindor por ser apaixonado por Starfield, e morre de medo de não estar à altura do protagonista da série original. Ele já esperava a reação dos ‘verdadeiros fãs’ da série, mas não imaginava que isso fosse afetá-lo tanto. E aí uma postagem de um blog especializado em Starfield, dizendo que ele era a pior escolha para o papel, viralizou. E ele se sentiu ainda pior.

Entre uma filmagem e outra do filme, com um coadjuvante que o despreza e uma atriz incrível que é seu par romântico – mas que acha Starfield “muito coisa de nerd” e só quer usar o filme como trampolim; com o pai controlador que mal repara nele e um segurança seguindo todos os seus passos; com alguém vazando fotos da produção para a imprensa e gerando ainda mais estresse; Darien se sente cada vez mais sozinho. Até que resolve entrar em contato com os organizadores da ExcelsiCon pra ver se consegue escapar da mesa de autógrafos e acaba mandando mensagem para o número de Elle, que era do pai dela e nunca foi desativado.

Os dois começam uma amizade por mensagens que vai ficando cada vez mais intensa mesmo que um não saiba quem é o outro, e enquanto isso Darien luta para encontrar o Príncipe Carmindor dentro de si e Elle pensa num plano para escapar da vida horrorosa que leva com a madrasta.

 

Gente, que livro mais fofo. Eu adoro reimaginações de contos de fadas, e sou meio nerd (ha), e ainda por cima fã de Star Trek – e aquele pezinho no cosplay sempre existiu rs – ou seja, parece que o livro foi feito pra mim. Como se não bastasse, temos: uma história coerente e interessante; um príncipe que não é príncipe mas precisa ser príncipe, numa reimaginação irônica que ficou excelente; personagens coadjuvantes incríveis com direito a um romance lésbico muito lindinho; um protagonista negro; uma autora que respeita e faz uma homenagem incrível a todos os nerds desse mundo; a melhor idéia de baile+sapatinho da história das adaptações.

Eu me diverti muito com esse livro, e queria muito ter lido quando eu tinha meus quinze anos. Um romance delicado com uma mensagem incrível de que você pode e deve ser quem você quiser. Achei o livro a melhor forma de agradecer e incentivar quem é fã de qualquer coisa: a autora, uma assumida fangirl que escrevia fanfics, desenvolveu uma história ágil e tocante em vários momentos.

Recomendadíssimo!

Geekerella (2017) de Ashton Poston

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *