Personagem: Éowyn

Éowyn tem o posto oficial de girl with a sword!  na minha vida. Como eu li O Senhor dos Anéis com cerca de treze anos e os outros livros de fantasia só tinham homens com espadas, ela foi logo minha ídala.

Éowyn não quer ficar em casa e cuidar das coisas enquanto os homens se arriscam. Ela também está desesperada para que a época em que ela vive mude, ela também está disposta a se jogar numa guerra para lutar pelo seu rei, mesmo que isso signifique que ela pode morrer.
O que ela definitivamente não quer é ficar esperando notícias dos homens – para depois, provavelmente, todos estarem mortos e ela ser obrigada a governar sozinha.

Mesmo que o motivo principal dela ter ido pra guerra pareça ser Aragorn, eu sinto que muito do que a empurra pra ir é o desdém e a super-proteção que faz com que seu irmão, seu tio e o cara de quem ela gosta falem que o lugar dela é ficar pra trás, segura (o que lógico significa que o lugar dela não é na guerra).

Daí ela ainda por cima pega de “escudeiro” Merry, que também tinha ficado pra trás por não ser considerado suficientemente útil numa guerra. Ou seja, ela não esquece de outros que também estão por baixo.

E aí tem a cena do romance com Faramir. Sabe, tem gente falando por aí que ela só ficou com o primeiro cara que quis ficar com ela depois que ela levou o fora do Aragorn. Mas temos que lembrar também que o Faramir é um cara tão bom ou melhor (se formos pensar em homens-capazes-de-resistir-ao-poder-do-Anel) do que o próprio Rei. A união dos dois surgiu porque ambos estavam deixados de lado, ele pelo pai e ela pelo rei, e os dois de certa forma feridos e desconfortáveis por não estarem se sentindo completamente felizes com o final da guerra como todos os outros.

Nada me tira da cabeça que o autor se inspirou parcialmente nas suas próprias experiências durante as guerras, ao conhecer mulheres ou feridos que eram impedidos de lutar.

E ainda por cima teve a excelente interpretação da Miranda Otto, que fez o impossível para manter a Éowyn o máximo mesmo com as alterações nem sempre inteligentes do PJ.
Enfim, uma girl with a sword bem capaz, cheia de atitude mesmo num mundo (livro) onde só os homens mandam!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *