Livro: Emma

Emma Woodhouse é uma jovem bonita, rica e inteligente que está decidida a nunca se casar. Morando com o pai de quem gosta muito, ela acredita já ter toda independência que poderia desejar. Se tem algo que a deixa menos do que feliz, no entanto, é o certo tédio dos dias sempre iguais. Para resolver isso, ela usa seus maravilhosos (segundo ela) talentos de julgamento dos seus pares para fazer o papel de casamenteira. Quando ela conhece Harriet Smith, uma moça de status social mais baixo, ela decide ajudá-la a encontrar um pretendente que seja um verdadeiro cavalheiro.

Mas Emma vai descobrir que interferir na vida dos outros pode ser pouco recomendável, sem falar no fato de que sua própria vida começa a ter novidades mais interessantes. 

Apaixonada que sou por Orgulho e Preconceito, mas já sabendo que os outros livros da autora não receberam os mesmos elogios, peguei Emma mais por recomendação da moms.
Deu que é um livro muito legal, mas lerdo de ler. Não sei por que. Eu pegava, me interessava, lia um monte, ficava curiosa com o que ia acontecer… e quando via tinha lido, tipo, dez páginas. Foi um sacrifício surpreendente pra mim ler esse livro, porque eu geralmente ou devoro ou largo…
O que eu mais gostei desse livro foi a personagem principal: “uma heroína da qual ninguém vai gostar”, disse a própria autora. Emma é inteligente, bonita, rica e bem educada. Só que acha que, por tudo isso, o mundo lhe pertence e ela pode fazer o que bem entender com as outras pessoas (todas, segundo ela, intelectualmente inferiores).
A história em si é bem previsível (pelo menos foi pra mim), mas a graça toda está na maneira como Emma só faz besteira com todo mundo à sua volta e de repente percebe como está sendo estúpida, arrogante e preconceituosa. O livro se trata das mudanças que ocorrem nela, e não necessariamente nas coisas que acontecem à sua volta.
 
Um livro que me deixou pensando nas coisas que eu fiz, nos preconceitos que eu tenho e nas atitudes que eu tomo. E isso de uma historinha que foi escrita há mais de duzentos anos…! Não é pouca coisa, né?
Enfim. O livro é um retrato da burguesia campestre da época, que rodeava a autora, e narrado com uma ironia discreta que deixa a narrativa super divertida.

Muito legal!! 

Informações técnicas: Emma (1815) de Jane Austen 

9 ideias sobre “Livro: Emma

  1. Razão e Sensibilidade é bem legal, mas bem mulherzinha mesmo!
    Emma eu tenho a fita do filme (sim fita!) mas só quero ver depois que ler o livro. E ainda tenho Mansfield Park aguardando na gaveta.

    Também tenho a sensação que são lentos. Talvez porque o inglês deles seja mais arcaico, mais lentinho de ler mesmo!

  2. Eu li razão e sensibilidade para o desafio deste mês, devo publicar na sexta ;P
    Eu gostei do livro embora não tanto quanto orgulho e preconceito.
    Emma eu ainda não mas gostei da sinopse e fiquei curiosa para conhecer a mocinha que ninguem vai gostar rs

    bjo

  3. E não é mesmo verdade?!
    Ela é egocêntrica, tem ciúmes se não for assim, ela ama mas até o ponto que não invada seu espaço, não tome o que é seu e sente aquela pontinha de inveja das que parecem ser melhores que ela.
    Razão e sensibilidade tem um twist no final mas Orgulho e Preconceito é o melhor de todos mesmo. Não tem quem nao se apaixone pelo Mr. Darcy

    ai, ai
    Mr. Darcy

  4. Eu acho que todos os livros clássicos possuem essa característica de serem um pouco mais lentos de se ler…
    Talvez seja a linguagem ou o contexto histórico… sei lá… mas tenho lido esse mesmo tipo de comentário em vários blogs…
    Há quem não goste… mas eu simplesmente amei Emma… não é o meu preferido da Jane, mas é leve, irônico, sarcástico… e imagino que deve ter sido bem incomodo na época…

    beijos,
    Dé…

  5. Olá!
    Nossa..a maioria dos participantes estão reclamando da dificuldade em ler os classicos.
    O meu, li em doses homeopaticas..kkkk
    foi osso duro. Mas valeu.
    bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *