Releitura: Dragonflight

Eu já li e até fiz resenha desse livro por aqui. Mas por estar lendo pouca coisa nova ultimamente, é melhor uma releitura do que nada, né. Especialmente contando que a minha opinião mudou tanto nos últimos anos.

A ambientação do livro é medieval-fantasioso com uma pitada de ficção científica: não estamos na Terra e sim no planeta de Pern, colonizado por humanos há centenas de milhares de anos. Ficamos sabendo disso nas primeiras páginas, quando o narrador conta que os humanos colonizaram Pern; que negócios chamados threads caem do céu a cada cem anos e destroem toda a vida no planeta; que os humanos alteraram uma forma de vida nativa de lagartos voadores, deram o nome de dragão, conseguiram se conectar mentalmente com os dragões e voam com eles destruindo os threads; que faz séculos que os threads não caem e as pessoas estão começando a acreditar que eles não cairão de novo; se nunca mais caírem: pra que dragões?

É bastante coisa pra se absorver em apenas algumas páginas, e eu fiquei com a impressão de “tá, e daí?”. Isso podia ter sido MOSTRADO depois em vez de EXPLICADO como se fosse um livro de história, já que é o conflito central da trama. Mas isso é o prólogo, e daí esperei a história começar.

Conhecemos então Lessa, uma jovem que vive como empregada no castelo de Ruatha. Ela odeia todo mundo porque é a filha dos lordes originais de Ruatha, que foram assassinados anos antes e só ela escapou. Ela usa seu poder, que parece de manipulação mental mas não fica muito bem explicado, pra ficar sendo empregada sem chamar atenção, pra manipular a mente dos outros e fazer o castelo ficar cada vez mais decadente e destruído e pra finalmente tentar matar o lorde Fax, o assassino dos seus pais.

Nessas de conseguir o que quer, Lessa inclusive mata algumas pessoas – sem remorso algum, diga-se de passagem – mas antes que possamos absorver qualé a dessa mina, chegam os cavaleiros de dragões (nota de tradução: a palavra cavaleiro vem de cavalo e me incomoda muito gente que cavalga outras coisas, mas enfim. Coisas da língua portuguesa).

Tem o F’lar e o F’nor (juro). F’lar é o chefão porque voa num dragão cor de bronze. F’nor eu esqueci a cor, mas isso é importante (mas não ficamos sabendo a razão agora). O importante é que: a rainha dos cavaleiros de dragões morreu e eles precisam de uma nova. Eles estão voando por vários castelos da região para encontrar a moça perfeita para o trabalho, existem outros cavaleiros de bronze (do mesmo nível de F’lar, ou seja) procurando em outros castelos mas F’lar acha que ele vai encontrar uma moça em Ruatha porque ‘o sangue do norte é mais forte’ ou algo assim, não ficou muito explicado.

Enfim, Fax, o tal lorde que matou os pais da Lessa, é dono de vários castelos e vai visitar Ruatha só pra levar os cavaleiros lá, pra mostrar que não tem mulher nenhuma e fim.

F’lar é inteligente e honrado. F’nor é inteligente e honrado. Mas os dragões são de cores diferentes então deve ser o suficiente pra saber quem é quem. Lessa, quando descobre que cavaleiros de dragões estão vindo, começa a tentar manipular as pessoas pra conseguir que F’lar ataque Fax ou vice-versa, na certeza de que Fax vai morrer no combate e ela vai poder falar “oi eu sou a herdeira de Ruatha vlw agora tchau”.

F’lar percebe que tem alguém “com poder” manipulando as pessoas mas não consegue identificar quem, e aí tem umas tretas e morre uma mulher lá, e F’lar daí percebe que é Lessa que está por trás de tudo, fica feliz e chama ela pra ser rainha dos cavaleiros de dragão. FIM DA PRIMEIRA PARTE

Então temos: a doida que mata pessoas sendo rainha dos cavaleiros super honrados. Parece um bom conflito, bora continuar.

A história passa correndo por: Lessa tomando o primeiro banho em anos, Lessa se unindo mentalmente à sua dragão-rainha, Lessa aprendendo as coisas de rainha mas não entendendo nada, Lessa descobrindo como funciona com os dragões e com os cavaleiros, Lessa ficando frustrada com o velho mala que é líder dos cavaleiros, Lessa e F’lar tretando porque ele não explica nada pra ela, e finalmente a dragão-rainha levanta seu vôo de acasalamento e o dragão bronze de F’lar consegue alcançá-la. E aí Lessa e F’lar transam.

Péra, quê?

É. Meio que desse jeito mesmo que as coisas acontecem. Os cavaleiros se comunicam telepaticamente com seus dragões. A dragão-rainha, Ramoth, sai do ovo, rola o momento de união mental com Lessa, e é isso: Lessa rainha e Ramoth sua dragão-rainha. E quando a rainha voa para se acasalar, os dragões de bronze vão atrás dela e quem alcançar vira o consorte da dragão-rainha. Mnementh, o dragão de F’lar, é o que alcança Ramoth. E enquanto Ramoth e Mnementh fazem o rolê deles lá no ar, os humanos conectados mentalmente a eles acabam fazendo a sacanagem em terra também, querendo ou não.

Querendo. Ou não. F’lar inclusive tem um momento de auto-reflexão em que ele pensa que Lessa tem zero interesse nele e só rola sexo quando os dragões também fazem ao mesmo tempo, e que ‘na real é tipo um estupro’. Essa frase EXISTE no livro. E F’lar fica chateado porque ele é bom no sexo e queria que Lessa demonstrasse querer também.

Sem or.

Vamos logo com isso então.

Ambientação: eu gostei do mundo. Adorei os dragões. A ameaça dos threads, a estrela vermelha e o próprio mistério central da trama, que é muito mais ligado à ambientação que aos personagens, são de longe o melhor do livro e era disso que eu lembrava quando voltei pra ler de novo.

Trama: médio. Tem horas que ela é boa, tem horas que ela é ruim. Fiquei sabendo que esse livro é na verdade uma união mal feita de dois contos da autora, e por isso parece que tem parte faltando. O livro parece um conglomerado de pequenos conflitos divididos entre Lessa e F’lar – será que F’lar vai achar uma rainha; será que Lessa vai se unir à dragão-rainha; será F’lar vai conseguir virar líder dos cavaleiros; será que os dois vão descobrir uma forma de salvar o planeta dos threads; etc. Mas todos esses conflitos são muito pouco surpreendentes e eu já sabia como cada um deles ia terminar. Nos poucos momentos em que a trama parece mais intensa e algum suspense acontece, logo as coisas normalizam e ficam tão sem graça quanto o resto da história.

Personagens: nunca sabia quem era quem. Lessa sim, porque ela é a única mulher no rolê (tem mais umas duas que têm falas: uma morre no começo e a outra é tipo uma criada dos cavaleiros), mas a personalidade dela é bem flexível, hein. No começo ela mata pessoas. Depois vira uma burra lenta. Daí resolve causar sem motivo nenhum. Daí fica apaixonadinha pelo F’lar do nada também. Os outros personagens se dividem em: são todos iguais que não dá pra distinguir quem é quem, ou são definidos pela profissão (o tapeceiro é importante, gente). E dois dragões: Mnementh que é um fofo e Ramoth que parece uma criança mimada. Fim.

Com ambientação boa, trama média e personagens ruins, fica difícil defender. Eu li a primeira vez por causa dos dragões – e por mais que minha resenha aqui tenha sido ‘bom livro’, eu nunca fui atrás de ler os outros então significa, né. Hoje em dia, com meu senso crítico que me faz mais chata, eu nem finjo que vou ler as continuações. Livro que passa rápido mas esquece rápido também não me anima e não faz sentido me enfiar numa série de mais de cinco volumes – todas com personagens diferentes no mesmo mundo, o que mostra que a autora também sentiu que a ambientação era o que valia a pena salvar dali.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *