Livro: The Last Dragonslayer

E em Janeiro o tema que escolhi é Dragões!

E nesse livro só existe um dragão na terra, porque os outros foram morrendo de velhice após um pacto entre os dragões e os magos.

A magia está acabando, e está dando lugar às novas tecnologias: como os magos estão cada vez mais fracos, ficou mais barato contratar encanadores e eletricistas do que utilizar os serviços mágicos. Os tapetes voadores se tornaram ilegais, pois o vôo deles atrapalha os helicópteros.

Jennifer Strange tem 15 anos e é a responsável pela agência Kazam, em Londres. Os magos vivem num grande hotel e precisam de muita atenção. Afinal, eles são muito temperamentais e além disso é preciso preencher uma enorme papelada a cada vez que um feitiço é elaborado. Jennifer preenche os formulários, administra a contabilidade da Kazam e trabalha como secretária geral, atendendo telefones e tentando conseguir mais trabalhos para os magos numa época de pouca magia.

Perto dali ficam as dragonlands, local onde vive o último dragão da terra. É basicamente uma imensidade de mata virgem que não pode ser invadida por humanos devido a um campo de magia que pulveriza os invasores. Apenas um matador de dragões pode entrar nas dragonlands, e apenas se o dragão tiver quebrado o pacto feito com os magos há centenas de anos dizendo que dragões não podem comer humanos.

Um dia acontece uma premonição: o dragão vai ser morto por um matador de dragões.

Todos os magos cognitivos do reino sentem essa premonição, mas nem todos sentem o dia e o horário. O “premonitor” do rei sente apenas que é uma questão de tempo, já o mago cognitivo da Kazam sabe que a morte do dragão ocorrerá domingo, às 16h, e essa informação é valiosa – as dragonlands ficarão liberadas assim que o dragão morrer, e a especulação imobiliária está alcançando níveis incríveis. Alguns dos magos  acreditam que Jennifer deve vender o horário da morte do dragão para os representantes do rei, e outros acham que o dragão deve ser deixado em paz.

Na dúvida do que fazer, Jennifer vai atrás do último matador de dragões, onde tem uma enorme surpresa e se encontra ainda mais enrolada na situação.

Esse livro já tinha sido muito recomendado, então o fato de ele ser excelente não foi exatamente uma surpresa. Jennifer é uma ótima protagonista, o mundo do autor é muito interessante, e a motivação dos “vilões” – especulação imobiliária – é tão boa que é de bater palmas.

Mas o melhor de tudo são as piadas. Eu acho que acabo gostando mais do humor inglês porque é muito nonsense, então Jennifer andando por aí com um fusca  com um quakerbeast dentro – quakerbeasts são animais peculiares que são como labradores com mandíbulas de tubarões e que latem fazendo “Quark!”- me fez dar muita risada.

O livro é muito recomendado para todos os amantes do humor inglês, de livros infantis inteligentes e de fantasia com um toque de modernidade. Descobri que existe um segundo volume e vou correndo comprar.
Excelente leitura!

Título original: The Last Dragonslayer (2010)
De Jasper Fforde (Reino Unido)
Série Last Dragonslayer Livro 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *