Contos de Fadas: O Ganso de Ouro

Era uma vez um pai que tinha três filhos, e ele manda o mais velho cortar lenha na floresta com um lanchão massa. Aí um anãozinho pede um pedaço do bolo bonito que a mãe do garoto fez, e o garoto manda o anãozinho se explodir e segue para a floresta.

Ele “sofre um acidente” e enfia o machado no próprio braço.
Voltando pra casa, sangrando e morrendo, ele nem conta pro pai do encontro com o anãozinho. E o pai manda o segundo filho cortar lenha, também com um super lanche. O anãozinho aparece de novo pedindo um pedaço do bolo e um gole do vinho; o garoto manda ele sair de perto dele; e quando vai cortar lenha “sofre um acidente” e enfia o machado na própria perna.

Em casa, o irmão mais novo, João Simplório, pede pra ir cortar lenha, mas o pai não quer deixar porque ele é muito desajeitado, e se os irmãos mais velhos não conseguiram, como ele vai conseguir, mas João insiste e o pai acaba mandando ele pra floresta com um pedaço de pão duro e um queijo velho.

Quando o anãozinho aparece pedindo um pedaço do lanche, o João oferece de bom grado metade de tudo que ele está levando. Quando ele vai buscar na bolsa o lanche pra dividir com o anão, ele descobre um enorme banquete, com direito a pão branco, frango, vinho e queijo de primeira. Ele divide tudo com o anãozinho, e este diz ao João que, se ele enfiar o machado em tal árvore, vai encontra uma surpresa.

João obedece, e dentro do tronco da árvore encontra um ganso com as penas de ouro.
Eu não lembro agora se ele decide que vai correr mundo com o tal ganso ou se o pai manda ele embora por algum motivo, mas o fato é que João sai por aí levando o ganso de ouro debaixo do braço.

Aí ele chega numa estalagem, e o estalajadeiro já fica de olho no ganso. Quando João vai dormir, o estalajadeiro manda a filha mais velha entrar no quarto dele e pegar uma pena do ganso. Só que, assim que ela encosta no bicho, ela fica grudada ali e não consegue se soltar. Logo o estalajadeiro manda a segunda filha ver o que está acontecendo, e assim que ela encosta na mão da irmã, fica grudada. O estalajadeiro manda a terceira, que fica grudada na mão da segunda.
No dia seguinte, João acorda com as três meninas grudadas umas nas outras e com a mais velha com a mão grudada no ganso e não parece achar nada estranho, e vai embora de boa com as meninas atrás dele.

Em algumas versões é o estalajadeiro que tenta resgatar as filhas e fica grudado, em outras versões já é direto o pastor, que ao ver esse escândalo de um monte de mulher correndo atrás do João, tenta impedi-las e fica grudado também. O fato é que, no fim das contas, as três filhas do estalajadeiro, o estalajadeiro e mais o pastor e o seu assistente, e ainda por cima dois trabalhadores do campo curiosos, todos ficam grudados no ganso de ouro e são obrigados a correr mundo atrás do João.

Um dia essa comitiva toda chega em um reino cuja filha do rei é a princesa que nunca sorria, e o rei decretou que aquele que a fizesse rir se casaria com ela.

E logicamente, quando ela vê a cena daquele monte de gente sendo arrastada pelo João com o ganso debaixo do braço, cai na risada e o rei pede que traga o João.

Eu sinceramente não sei o que acontece com aquele monte de gente grudada no ganso (o conto nem sempre comenta dessa parte meio importante), mas mesmo que em algumas versões o rei coloque obstáculos a um simples lenhador se casar com sua filha – e o anãozinho volta para resolver esses problemas – sei que no final o João se casa com a princesa e vive feliz pra sempre.

Eu gosto desse conto por ser fofinho, sem muito fru-fru e com uma mensagem das mais simples – primeiro, que você tem que ser gentil com as pessoas, segundo que você não deve roubar e terceiro que rir é o melhor dos remédios.

E se fosse um filme?
Deve ser feito com uma pegada de comédia, sem se levar a sério. A princesa que nunca sorri pode ter um subplot de vários bobos tentando diverti-la, enquanto o João pode ser um Adam Sandler da vida – completamente tapado e com bastante apelo para o público, que o acha engraçado (eu pessoalmente não acho, mas até aí também não acho o João dos mais brilhantes).
A versão do Fairy Tale Theater é excelente, já que foca de início na vida entediante da princesa e só depois introduz o João que adora contar piadas.

2 ideias sobre “Contos de Fadas: O Ganso de Ouro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *