Cinco Finais Insatisfatórios

Às vezes é aquele livro que você estava cheio de expectativas pra ler. Ou aquele que faz parte de uma série, ou um policial, ou qualquer outro que tenha envolvido o leitor nas suas tramas… só pra desapontá-lo com um final totalmente insatisfatório.
Mas de todos eles, os piores estão nessa lista. Como vou descrever por que cada um deles me desapontou, não ousem reclamar de spoilers!

5. Pretties
Na categoria: “ah, não… de novo não!

Num mundo futurista pós desastres atômicos ou algo assim, todas as pessoas passam por uma cirurgia plástica que as deixa perfeitas. Tally, nossa protagonista, passa o primeiro livro inteiro fugindo das autoridades perfeitísticas porque quer ser normal – para eles, feia – e descobrindo que os Especiais, autoridades da sociedade, na verdade mudam também o cérebro das pessoas que são transformadas em perfeitas para que elas sejam mais estúpidas que o normal. Aí ela é capturada e é transformada em Perfeita. No segundo volume da série, ela passa o livro inteiro tentando se sentir normal de novo, apesar do que fizeram com a cabeça dela, e fugindo dos Especiais e descobrindo que eles também são modificados pra serem mais fodas que o humano normal. E aí ela é capturada e transformada e Especial…
É meio broxante quando tudo acontece com o mesmo personagem, e ficamos além disso com a impressão de que sabemos qual vai ser o final de todos os outros livros da série: ela vai ser transformada em qualquer outra bizarrice que o autor quiser pensar.

4. O Mistério dos Sete Relógios
Na categoria: “QUEM???”

A idéia de qualquer romance policial clássico é ter um final inteligente, coerente e, se possível, surpreendente. Afinal, quando todo mundo sabe quem é o assassino desde o começo e só é necessário capturá-lo, não é policial, é thriller.
Mas pode-se ir para o lado oposto: um assassino tão improvável e inesperado que o leitor primeiro fica esperando o outro sapato cair – ou seja, esperando que seja só uma tentativa de enganar o leitor antes de falar quem é o verdadeiro assassino – e depois levemente revoltado, por ter um dos seus personagens favoritos se transformando em monstro da noite para o dia.
A Agatha Christie é mestra nisso, de colocar o melhor personagem como o assassino – Cem Gramas de Centeio, O Homem do Terno Marrom, Convite para um Homicídio são grandes exemplos. Mas em nenhum outro eu fiquei tão revoltada quanto nesse.
Jimmy Thesiguer é o homem dos meus sonhos, e no fim ele acabou matando uns três ou quatro! Além de estragar tudo, eu nunca mais vou esquecer quem matou, e não dá graça ler o livro de novo.

3. Harry Potter e a Ordem da Fênix
Na categoria: “por que ele teve que morrer, POR QUÊ?”

Ok, primeiro a autora nos apresenta ao melhor personagem da série: Sirius Black, acusado de matar treze pessoas, e de ser responsável pela morte do melhor amigo, e de tentar matar o próprio afilhado. E ele é um gato (opa, foi mal, cachorro), e ele tem uma moto que voa, e é em geral totalmente foda.
Como ficou estabelecido que o Harry nunca vai ser feliz, no terceiro livro os dois não conseguem ficar juntos, e Black passa o próximo livro completamente foragido e fora da vida de Harry.
No quinto livro parece que os dois vão finalmente começar um relacionamento familiar decente, e ficamos levemente desapontados porque Black acaba sendo na verdade um caso psicológico (como era de se esperar, claro, de um cara que passou mais de dez anos na prisão), mas ainda há esperança para o personagem mais maneiro de todos!
E aí ele morre da maneira mais estúpida possível: pelas mãos de uma vilã secundária, que mal descobrimos existir, que só vimos através de memórias e que só vai ficar maneira nos outros livros – e, claro, com interpretação da Helena Boham Carter.
E como se não bastasse, o Harry passa o resto do livro procurando uma maneira de conversar com o Sirius e não conseguindo.
Hoje, que a série está completa, e vimos o final da luta de Harry com Voldemort e tals, o final do quinto livro se atenua e fica até bom: é pro Harry aprender que 1. não existe maneira de voltar à vida depois que se morre, 2. o espelho que Sirius deu pra ele serviu pra alguma coisa e 3. seja legal com elfos domésticos.
Mas hemos de convir que, quando se lê A Ordem da Fênix pela primeira vez, esse final é dos mais desanimadores.

2. Rupert of Hentzau
Na categoria: “vai, vai, você vai conseguir ser um final interessante… ow, esse foi feio. Que final idiota.”

Rupert Hentzau é a pouco conhecida continuação do clássico de aventura O Prisioneiro de Zenda. Resumindo o primeiro livro, Rudolf Rassendyl, um inglês boa vida, é curiosamente idêntico a Rudolf Elphberg, rei da Ruritânia. Muitas aventuras, confusões e mal entendidos depois, Rassendyl salva a pátria quando finge ser o rei, fazendo com que a princesa Flavia e o resto do reino se apaixonem por ele no processo, e resgata o verdadeiro rei das garras de seu meio irmão maligno.
No final, Michael, o meio irmão, é morto por Rupert Hentzau, seu endiabrado primeiro tenente, que foge dando risadas. O rei, alquebrado após meses de cativeiro, volta ao trono jurando ser um rei tão bom quanto Rassendyl foi. E Flavia aceita se casar com o rei que não gosta pela honra da sua família e pátria, enquanto seu verdadeiro amor volta à Inglaterra jurando fidelidade eterna.
Até aí, romances melequentos do século XIX.
Mas então temos o segundo livro.
Como todo mundo menos os protagonistas já sabia que ia acontecer, o famigerado Rupert Hentzau volta para dizer a que veio, rouba uma carta da rainha para Rassendyl e ameaça contar tudo ao rei. O rei, por sua vez, se tornou um imbecil completo, com direito a pitis de covardia, ciúmes e incapacidade geral de governar que fazem com que todos na corte da Ruritania tenham saudades dos bons tempos (quatro meses) em que Rassendyl fingia ser o rei e governava no lugar dele.
Rassendyl, quando fica sabendo que a honra da rainha está em jogo, volta para a Ruritania, e depois de diversas aventuras, confusões e mal entendidos, o rei é assassinado por Rupert, e os integrantes do governo da Ruritania (e o leitor) pensam, “eba! agora Rassendyl vai tomar o lugar do rei, ficar com a rainha Flavia, e governar muito melhor e viver feliz pra sempre!”.
Então mexem os pauzinhos para que a morte do rei não seja descoberta, para proteger a honra da rainha, até que Rupert e as cartas condenadoras sejam capturados. Quando isso finalmente acontece, e numa batalha épica Rupert é morto por Rassendyl e as cartas são recuperadas, os caras do governo sugerem que Rassendyl tome seu lugar ao lado da rainha Flavia no trono.
E Rassendyl recusa porque seria desonroso.
E os caras insistem, e ele recusa. E a Flavia insiste. E ele fala que vai pensar.
E ele fala, decidi!
E antes que ele diga qual foi a decisão, um criado do Rupert dá um tiro nele pelas costas e ele morre.

Preciso falar mais alguma coisa?
Para os interessados, aqui está a página da Resistência da Ruritânia, que é contra o rei Rudolf e a favor da coroação do pricipe Michael.

1. Master of Many Treasures
Na categoria: “me fala de novo por que eu perdi tempo lendo isso?”

A garota se apaixona por um dragão, mas ele é tipo um dragão e mal sabe que ela existe. Só que ela é insistente, então os dois passam a noite juntos numa cena meio perturbadora de sexo inter-racial, e ela “dá à luz” um ovo. Então ela passa por poucas e boas tentando chegar até ele para declarar seu amor E para dizer que ele é o pai do futuro bebê.

Um dia eles se encontram lindamente e ela descobre que ele sempre gostou dela mas também estava no modo “oh, será que ela gosta de mim?”, e eles resolvem ficar juntos. Mas para isso ele diz que tem que avisar os outros dragões que ele vai viver com uma humana.

Então eles vão lá e pedem uma audiência com os dragões anciões, que não querem saber de um dragão e uma humana morando juntos – aparentemente isso não é de bom tom – e parecem que vão criar complicações para o casal.

Mas através de argumentos irrefutáveis, charme e muitas rolagems de bluff e diplomacy, os dois estão quase conseguindo convencer os anciões de que o amor deles é possível…

E um imbecilzinho de um moleque mendigo que estava seguindo eles rouba jóias dos dragões durante a tal audiência e consegue fugir, e os dragões percebem que foram roubados e queimam o casal até as cinzas.
Fim.

Me fala de novo por que eu perdi tempo lendo isso?

Com as palavras-chave

7 ideias sobre “Cinco Finais Insatisfatórios

  1. Huahsuhaus eu não pude deixar de ri, dos livros que você citou eu apenas li Harry Potter, mas eu concordo plenamente com o que você disse:
    “E aí ele morre da maneira mais estúpida possível: pelas mãos de uma vilã secundária, que mal descobrimos existir, que só vimos através de memórias e que só vai ficar maneira nos outros livros”
    Quando eu terminei de ler a morte do Sirius eu fiquei uns 15 minutos parada olhando e pensando POR QUE??? Por que Assim?
    Eu achei meio revoltante, mas tudo bem…
    Parabéns eu adorei o post, ficou bem engraçado ^^

  2. ohgezz, eu não entendo até hoje porque ele teve que morrer, não importa NSHIUAHSIUAHOSIUA podem dar 789798679 motivos, não me conformo.

    ADORO o mistério dos sete relógios HIUSHAUISHAIUSHOAIUHOSIAUHOSIUASA

  3. [[No fim desse comentário tem spoiler do livro Guerra dos Tronos.]]

    Sério que esse “Master of Many Treasures” é só isso?

    Também fiquei revoltado com a morte do Sirius!

    Mas na categoria “Mortes Revoltantes”, a que mais me deixou irado foi a:
    “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” – “Spoiler” –

    *Eddard Stark, no primeiro volume de A Guerra dos Tronos.

  4. Fernando, se eu tivesse lido seu comentário dois dias antes ia te odiar pra sempre!! rsrs

    Mas eu já tinha desistido do Ned quando ele foi idiota o suficiente pra AVISAR Cersei de que ele ia contar pra todo mundo dela e do irmão dela.

    Concordo que foi uma morte revoltante, mas pra mim não se encaixa exatamente como “final insatisfatório…

    Obrigada pelos comentários!

  5. Ah sim, pra mim também não.
    A morte dele faz com que aquele mundo se torne ainda mais realista, onde mesmo os honrados e honestos são humilhados e morrem.
    Mas foi muito revoltante. Eu sou aquele tipo de leitor que cria vínculo com os personagens rs

    Que bom que você leu o comentário apenas após ter chegado nessa parte!
    Por isso que quando vou revelar algo, coloco o aviso de spoiler antes.
    Infelizmente me revelaram duas coisas super importantes do livro: o final com a Daenerys e o desfecho do último capítulo com o Robb Stark.
    Mas tudo bem… Essas coisas acontecem rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *