Adaptação: Capitão Blood

O Livro

Eu já falei várias vezes que esse é um dos meus livros favoritos no mundo inteiro e não custa falar mais uma vez: se vocês virem esse livro em algum lugar para comprar, façam esse favor a vocês mesmos, porque esse é um dos melhores livros de piratas do universo. Pra quem lê em inglês, tá aqui o link para o download gratuito do Projeto Gutenberg.
A história – que eu realmente não entendo porque não resolveram adaptar para o cinema de novo – é de um médico que é preso por traição ao ajudar um rebelde e vai parar nas Índias Ocidentais como escravo, onde conhece a sobrinha do seu dono, Arabella Bishop.
Quando espanhóis atacam a ilha onde ele é prisioneiro, ele reúne outros escravos e, usando seu conhecimento prévio de navegação aprendido numa juventude aventureira pela marinha holandesa, ele captura o navio espanhol e se transforma no temido pirata Captão Blood.
O acaso o leva frente à frente com Arabella, e isso o faz cometer certas besteiras, mas se esquecermos a trama romântica por um momento e ficarmos com o fato de que o livro é 80% aventura de piratas, não tem como não amar. (para os que gostam de romance também tem o romance, ué)

O Filme

Este é mais uma edição do famoso trio Errol FlinnOlivia de Havilland e Basil Rathbone. Eles trabalhavam juntos por um motivo excelente: ficam muito MUITO bem em tela. A química entre o casal é impecável, e as cenas de lutas, apesar de ironicamente não parecerem realistas, são bem verdadeiras: Basil Rathbone era um exímio esgrimista e mandava muito com espadas. 
A história bonitinho do amor impossível entre um pirata e a moça rica é mantida pelo carisma de Errol Flynn e a beleza de Olivia de Haviland, num filme que só não é mais clichê porque veio antes de todos os outros, criando uma fórmula que funciona e foi repetida pra sempre.
Mas é sempre bom assistir os filmes que originaram tudo isso, né?

Livro x Filme
Como não amar Errol Flynn? Ele e Olivia tinham uma química absurda nas telas, ele era um cara mais do que bonitão e tinha uma presença que eu vou te falar viu.
Não tenho nenhuma reclamação sobre o elenco, portanto, que sacou muito bem a pegada da história e não deixa a peteca cair.
O roteiro do filme mudou bastante, e isso não ficou ruim. O livro mostra várias aventuras do capitão Blood antes dele finalmente se encontrar com Arabella, e não teria dado tempo de falar de metade no filme, então fazer o foco no casal fez sentido.
Levasseur, em vez de ser uma aventura isolada, virou o principal vilão, e eu acho que no fim das contas ficou também melhor: D. Miguel é um vilão mais polêmico (afinal, é oficial do rei da Espanha), enquanto Levasseur é francês e ninguém gosta dos franceses.
Gostei que o conflito entre Levasseur e Blood teve Arabella como protagonista, ficou quase melhor do que no livro. Não gostei que o meu personagem favorito, Wolverstone, praticamente desapareceu, e o cerco a Maracaibo (a parte mais legal) não coube.
Mas, em geral, o filme é uma excelente adaptação que pega todo o clima do livro e ainda dá de brinde esse moço pra gente:

3 ideias sobre “Adaptação: Capitão Blood

  1. Olá. Seu blog tem muitas dicas de livros legais. Gosto muito de aventuras piratas e vou anotar a dica desse livro. Estou escrevendo um conto sobre piratas e fadas e todo material disponível é de excelente ajuda.
    Beijos doces.
    Chellot.

  2. Olá, gostaria de ler o livro, mas não acho. Sabe onde posso encontrar, de preferencia online?
    Beijo ;*

  3. Online tem no projeto Gutenberg, mas em inglês. Em português online eu nunca achei, e minha versão é uma tradução mega antiga que eu achei num sebo…
    Obrigada pela visita!
    Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *